28/08/09

Na volta estamos esclarecidos

Ora estamos esclarecidos. O programa eleitoral do PSD foi apresentado, as verdades foram escolhidas, o compromisso assumido, a espiritualidade devolvida, a inserção social esclarecida em problema transversal, liberdade de escolha na saúde, mais adoptados e adoptantes, maior envelhecimento activo, sim às quotas mínimas de emprego, apoiado o clima de emigração emergente e instalado, protecção da família, apoio aos professores, aos tribunais e notariados. Verdade, compromisso, salário, saúde, educação, segurança e não corrupção.
Empenho em negociações, 2013-2020 prazo alargado, subsídio de desemprego alargado, policiamento e autoridade alargados, forças armadas alargadas, políticas de justiça e paz social alargadas, comunidades portuguesas transversalmente alargadas, autonomias regionais e autarquias renovadas. Utilizador-pagador para o ambiente, rebranding para Portugal, descentralização, infraestruturas rodoviárias, cultura, informação, transparência, administração pública, publicidade e consumerismo. Desporto e auto gestão, capacidades aumentadas, rendimentos garantidos, inserção autorizada, agricultura e mar.
Rasgado o TGV, realinhado o aeroporto, a rede rodoviária e dando prioridade às carreiras professores, juízes, médicos e forças armadas, resta exactamente o quê?
Para além da campanha "A volta da Líder", não vejo mais nada. E desconfio, que envolta a Líder num conjunto de voltas, o país continua volta não volta. E na volta, volta a girar para a roda do PS. Para quem alimentou o mistério do livrinho de anotações, a volta foi curta e não passou do Guincho.

10 comentários:

fugidia disse...

E eu ando muito desanimada com esta minha dificuldade em saber em quem vou votar...

Martinha disse...

Estamos esclarecidos que esta senhora, uma vez que não tem qualquer dimensão intelectual e cujo QI deve ser muito baixo, irá usar de sucessivos tabus para esconder o que realmente é. Já Cavaco fez o mesmo e conseguiu!

Luísa disse...

Pela minha parte, GJ, já estava esclarecida antes de qualquer programa. A minha escolha faz-se pelas pessoas – sempre fez - com a tolerância que me impõe a circunstância de serem só pessoas, mas com a exigência que me impõe a circunstância de pretenderem «governar-me». Por outras palavras, escolho aquela cujas fraquezas menos arrasarem os meus nervos. ;-D

mfc disse...

Palavras para quê?!
É mais uma artista nacional que usa pasta medicinal Couto!

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

O que eu acho mais interessante no programa do PSD- para além da tentativa de pescar à linha- é a promessa de acabar com algumas coisas que ela própria criou.

Mike disse...

De onde se pode concluir que a dúvida é se o PS ganha com maioria ou sem ela. Mas isso também não constitui novidade nenhuma. E o curioso é que quem me parece que vai ajudar a decidir isso é o PSD.

GJ disse...

Fugidia,devemos andar muitos de forma igual.:(
-----------------------------------

Martinha, a verdade vem sempre ao de cima, é uma questão de tempo e paciência. Mas é exactamente o que não temos e por isso cansamos de ouvir o mesmo.:-)
-----------------------------------

Luísa, as convicções deviam ser as primeiras a decidir o nosso voto. Como os programas são idênticos e as pessoas não nos garantem o cumprimento desses principios, não deixa de ser sensato votar em quem nos mantém lúcidos.:-)
-----------------------------------

mfc, tem razão. No entretanto, não lhe parece que a marca só funciona com dentaturas postiças?;)
-----------------------------------

Carlos, terminar com políticas que poderiam ser estratégicas é uma coisa, o ponto é esse que diz, querer passar como novidade o que já é velho. O peixe miúdo dá trabalho e como é preciso que seja muito para encher o prato leva tempo e mantém a malta ocupada. Mas não enche barriga como um peixe de águas profundas.
-----------------------------------

Mike, é isso mesmo a novidade é nula, excepto no que diz, vai ser o PSD a ajudar o PS a ganhar mais votos. Mas não vai haver maioria como sabemos e também nos lembramos o que significa governos sem maioria. O PSD, na minha opinião, vai levar muito tempo a recompor-se e a captar outras mentes e espíritos de mudança. Um partido que representa uma larga fasquia do eleitorado, não pode andar a dar chutos à esquerda e à direita. É como o Sporting, golos está quieto, agora andar no campo dum lado para o outro ...;)

Si disse...

E eu assino por baixo, acrescentando uma velha fórmula popular, 'ficará tudo na mesma, como a lesma!'

Mike disse...

Tinha que aproveitar para dar uma "bicada" ao meu Sporting. Eu até acho que a GJ é sportinguista... é ou não é? ;)

GJ disse...

Mike, tenho um filho sportinguista, três portistas e o Sr. Jóia que é benfiquista. Tenho de ser muito súbtil nas minhas preferências...;)