06/12/09

Tem de ser, o tempo!

Ao som duma voz esganiçada pelo tanto chamar, acordava regularmente. Quero dormir mais mas não posso, tem de ser! levantar rápido, vestir depressa, engolir, não gosto, está quente mas tem de ser! Ao som da água que me lava ao pente que me penteia. Cabelos rebeldes, não quero o cabelo para trás, mas tem de ser! Olha no espelho, que bonita ficas! Desce, a carrinha já está à porta, vai com cuidado, leva o chapéu, a pasta, o lanche no thermos que será servido ao almoço. Não gosto, mas tem de ser! um, dois, três, levanta, baixa, flecte, frente, atrás, o espaldar, o plinto, o salto, a trave. Não gosto, sonho com ballet, mas tem de ser! Anda, põe-te em pé e o momento mais solene do dia vira o pesadelo do ano. Como caiu, não podia ser, mas era. Um fiasco que tinha de ser! Veste bata, tira bata, monograma liberdade, eléctrico. No Jardim da Estrela uma cigana lê a sina, um homem de "fardas altas" chegará um dia num navio preto. Só há navios brancos? Então tem de ser mentira. Volta, não volta e volta a girar, um furo por tablette de chocolate, sai amarelo, encarnado e o maior é o verde, tinha de ser. Sobe e desce do comboio, entra e sai da camioneta. Porta da frente a passar com licença e a ficar, tem de ser! Vestido branco olhar cintilante e o pé que fica ao lado do outro, só pode ser! A aliança no dedo e o cabelo esticado, o salto no pé e o pé aos saltos. Vou e já volto, hoje e amanhã, agora e sempre, dias que voam, que se apanham. Cansada, cuida de ti olha o stress, tem de ser! Estavas aí? E não paraste para olhar no tempo, agora tem de ser! Não gosta? O frasco é muito grande e tem de ser tudo? Não gosta, tem de ser! O cartão? era preciso? deixei na mesa de cabeceira. Trago na próxima vez, pode ser? Não gosta, mas olhe tem de ser! Come a papa, menina, come a papa, tem de ser! Acorda, levanta, tem de ser! Estuda, vence, anda, despacha-te, tem de ser! Luta, vive, ama, odeia, fica, não partas. Chegou a hora? Não há tempo, tem de ser!

2 comentários:

Luísa disse...

A grande História evolui, GJ, mas as pequenas histórias repetem-se de geração em geração. Afinal, o nascimento, a reprodução, a passagem do tempo e a morte fazem-se e continuarão a fazer-se da mesma maneira. Tem de ser! ;-)

Si disse...

É um ciclo que não conseguimos quebrar.
Deixo-lhe aqui o link de um post que fiz há quase 1 ano: http://de-si-para-si.blogspot.com/2008/12/contra-tempos.html