10/03/11

O sobressalto


O discurso trouxe o sobressalto da falta de timing,  porque o verdadeiro teria sido no mandato anterior, sempre que o governo tivesse tomado medidas que o Presidente ponderando a sua função de "responsável" por todos os portugueses o tivesse admitido, chamado à atenção e usado os seus poderes ora de Chefe de Estado, ora de conhecimentos de economista e professor. Afinal, a única coisa que os portugueses gostariam de ter visto, era o desempenho de todas as funções do Prof. Cavaco Silva, do Presidente Cavaco Silva e do cidadão Cavaco Silva.
Fazer, agora na tomade de posse, um discurso supostamente revolucionário apelando ao poder da sociedade civil, que ao  ser analisado pelas diferentes forças e cores políticas, tanto no seu palavreado, como nas suas entrelinhas, passando pelo almoço com  jovens nas vésperas de manifestação, deixa no ar a possibilidade de dissolução da AR e  a capacidade virtual da  juventude com nome no mundo real,  só cria sobressalto de mau gosto e não de empatia, que dadas as directrizes que nos governam é apenas o sobressalto que não leva a nenhum salto concreto.

3 comentários:

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

VPV chama-lhe hoje, no "Publico", demagogo. Mais do que isso, Cavaco é uma pessoa perigosa para a democracia que não teve qualquer pejo em mentir ao país, manipulando os dados sobre a pobreza.
Se passar pelo CR, tem lá uma lembrancinha para si.
Bom fds

Luísa disse...

Concordo consigo, GJ. Estas intervenções pecam por tardias. Mas tem sido assim com todos os PR’s, receio. Nos primeiros mandatos, bolinha demasiado baixa; nos segundos, demasiado alta. :-)

mfc disse...

Mas este não é o Aníbal que atravessou os Alpes com os seus elefantes e assim surpreendeu Roma!