16/10/09

Sempre é bom ter um divã

Quando recebi este Selinho da Lisa, fiquei muito feliz e atrapalhada. Sabem porquê? porque esta situação do divã tem que se lhe diga, mas é difícil de dizer...
As regras são as seguintes:
1. Postar o Selo - Já está!
2. Dizer quem me indicou- Já está, lá em cima!
3. Escrever três conflitos que me levaram ao Divã - Vamos lá começar e vão ser quatro!

Até hoje, o único divã onde exercitei o regresso ao passado e à auto-análise foi o de lá de casa. Quatro situações, relacionadas com a aprendizagem e sensatez na tarefa da educação, até eu compreender que não há decisões erradas, apenas aquelas que nos parecem certas porque são as que na altura sabemos.

  • A terrível sensação de culpa ao colocar o tempo profissional à frente do tempo familiar. No dia, em que ouvi aquela cabeça encaracolada dizer "eu sou o único da minha classe que ainda não tem os livros forrados", senti que me tinham atirado ao divã.
  • O dia em que em vésperas de entrar no 1º ano de uma Universidade nos USA, aquele a quem mais exigi, me confrontou com o seguinte clamor "tu colocas a fasquia muito alta e uma pessoa tem momentos de fraqueza e não está a 100% todos os dias". Passado um ano, quando a dificuldade de adaptação à distância e às mentalidades se fizeram sentir atirei-me para o divã cheia de dúvidas sobre a decisão familiar.
  • O desespero de não saber lidar com as novas realidades dos adolescentes de hoje. A luta interior de questionamento e a resolução de não ir ao divã mais do que um dia. A alegria de um glorioso sentimento de vitória, quando cansada mas feliz recuperei carinhos e abracinhos.
  • O dia em que percebi que as nossas meninas, crescem sem pedir licença e querem voar para braços demasiado masculinos. Uma mulher em frente da outra reconhecendo sensações e vontades, sem maturidade reconhecida, apesar das decisões tomadas. Fiquei no divã durante uns dias, até que a razão me disse para continuar com toda a emoção o meu papel de mãe.

4. Passar a seis amigo(a)s. Nesse caso, vou convidar os meus amigos RAA, Mike, Carlos, Vasco, João B., e Pedro Correia a aceitarem este divã.

13 comentários:

RAA disse...

Que encanto, GJ! É magnífico lê-la, repito. Aceito o selinho, não sei se cumprirei, embora gostasse. Um forte abraço.

Anónimo disse...

Grande desafio, este. E que texto tão bom. Vamos a ver que sequência lhe posso dar, GJ. Agradeço a distinção.

P.C.

Mike disse...

Que grande amiguinha... ter-me atirado com o divã já é razão para ir ao divã, GJ. (risos)
Mas noblesse oblige, por isso responderei. Apesar de só me lembrar de duas razões que me levaram ao divã. Vou pensar melhor, que deve ter havido muitas mais. :)

Mike disse...

Pronto, amiga da onça, já me estendi no divã. ;)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Então atira-se assim uma pessoa inocente para o divã? (risos) pronto, está bem, lá irei ao confessionário. Só que não posso contar tudo, GJ, porque há coisas que se passaram no divã que convém manter a recato( mais risos).
Obrigado pelo desafio, GJ. Vou tentar cumprir...

JB disse...

Este prémio que me ofereceu tem a ver com a sensação de que não existe pecado do lado de baixo do Equador?
Já está a ida ao divã...
Obrigado e boa estadia.

GJ disse...

Sentiu o mesmo...?)
Obrigada, João.

GJ disse...

RAA, como sempre as suas palavras são honestas reflexões.
Obrigada.

GJ disse...

Pedro, sei que vai dar a sequência que entender adequada ;)

GJ disse...

Mike, parabéns por ter sido o mais rápido na resposta...;))
Abraço.

GJ disse...

Carlos, claro que tinha de o atirar para o divã...não escapava desta (risos.

Luísa disse...

Gostei de ler, GJ. É uma perspectiva diferente da minha sobre o papel dos divãs. Pessoalmente, nunca estremeci por motivos de decisões certas ou erradas (e há-as retrospectivamente erradíssimas!). Mas já quase caí por motivos de perda, que nenhuma decisão poderia evitar.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Só para informar que durante o fds vou estender-me no divã e na segunda-feira publicarei os resultados.
Bom fds para si