22/02/11

Nem mais, Ricardo!

Se tumultos no Ocidente me sobressaltam, as manifestações que têm assolado nos países muçulmanos ainda me deixam mais inquieta. Movimentos em prol da democracia em países deficitários dela, com angariação de adeptos através do facebook e utilização de recursos literalmente à mão, é uma moda que uma vez instalada não deve trazer nada de bom. O rastilho que começou na Tunísia e foi seguido no Egipto não tardará muito a tornar-se uma grande mancha no mapa geográfico,demonstrando o pouco que sabemos sobre as populações e o muito que vamos recordando sobre os governos, os aliados e a política de interesses. Nas últimas horas temos olhado para a Líbia. Kadafi, aos anos que anda a brincar aos homens honestos e quem o apoia ao gato e ao rato. A análise muito certeira aqui.

3 comentários:

mfc disse...

É tempo de a mudança chegar cá!

Luísa disse...

Uma política de «interesses» (no sentido actual) não é compatível com uma política de «valores», por mais que se tentem conciliar ambas – e há quem tente, ou finja tentar… ou até finja conseguir. Tudo isto é uma grande tristeza, sobretudo porque, por detrás de tudo isto, estão, de facto, povos muito calcados e empobrecidos, que, com um grau de probabilidade razoável, continuarão, depois de tudo isto, igualmente calcados e empobrecidos.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Temo que toda esta euforia em torno de umas democracias que de repente parecem ter despertado, possa acabar mal. Oxalá me engane...