27/08/09

Quem quiser que os compre

Quem quiser que os compre, porque eu já sei o que a casa gasta. Esta frase que o povo usa, tem como sempre, a sua verdade. Quem trabalha em organismos ligados à divulgação de estatísticas sabe que Setembro é a hora de lançar novas projecções. Ora em ano de eleições a coisa acentuasse. Logo em Julho, os responsáveis por algumas andaram a trabalhar horas a mais, para que os ficheiros tivessem a postos e ninguém tivesse de trabalhar que nem doido em Agosto para os números de Setembro. Este ano os dados fizeram sentir-se mais cedo e os funcionários foram chamados uns dias antes. "Está bem deputado, sim secretário, volto antes!" ou "Segunda aí estarei, não, não há problema, eram só mais uns dias de praia sem importância!"
A toque de caixa e de volta às secretárias, os dados têm surgido. Primeiro foi o IEFP a apresentar as estatísticas do desemprego por inscritos nos diversos centros. E aí estavam os que tinham feito o trabalho antecipado com menos desempregados por funcionário. Recordo que Évora tinha cento e qualquer coisa. Um número apresentável ao contrário dos crónicos centros de Amarante ou Braga que andava nos mil e tal. Quem anda nestas andanças também sabe que os centros com menos desempregados são aqueles que sabem gerir melhor os programas de formação para desempregados, diminuindo as estatísticas através da inserção dos jovens à procura do primeiro emprego em acções de formação ou melhor em estágios pagos 50% pela empresa e o restante pelos programas comunitários e os de longa duração por programas para encher o olho. Onde está o desemprego? Bem durante nove meses anda aí por uma empresa que de outro modo não empregaria o jovem. Nada tem de errado as empresas beneficiarem destes programas, porque todos ficam bem. O jovem recebe cerca de 900 euros limpos, a empresa paga o equivalente ao salário mínimo e o IEFF o restante. Durante o tempo de estágio tudo é uma maravilha, às vezes o jovem fica na empresa, só que vê o seu salário ajustado à realidade interna e que muitas vezes é inferior ao que vinha a receber.
Agora, vem uma candidata dizer que o Porto tem muita gente a viver de subsídios e o que é que ela propõe? Cursos, acções de formação. É o terciário a trabalhar com a ajuda dos fundos comunitários a todo o vapor. E para quê? Para que o povo tenha ocupação e verdade verdadinha para que as estatísticas do desemprego diminuam e as verbas façam mais bonito. Pois é, que ninguém se engasgue com a espinha do peixe que por aí nos querem vender. Por mim, fico-me pelas verduras que encontro no rio que apesar de tudo não andaram lá pelo Ave a despachar panos e fios para o parque da tecnologia que nem fios telefónicos podia ter.

6 comentários:

Mike disse...

Eu estou fora. Não compro essa mercadoria, GJ. ;)

GJ disse...

Está fora mas com o olho na mercadoria...:)

Si disse...

Infelizmente, GJ, este país só vive com esses números. Estatísticas, que servem todos e quaisquer fins, até para o alargamento do ensino obrigatório até ao 12º ano, que, uma vez mais, vai ajudar a baixar os níveis de exigência dos alunos, mas toda a gente aplaude que o Estado continue a investir na mediocridade.
Não há dúvida mesmo. Quem quiser, que os compre!!

GJ disse...

Claro Sí, essas são outras para inglês ver. Nada como passar a escolaridade obrigatória para o 12º ano. Problemas adiados por mais três anos e Bolonha para aplaudir.

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Embora seja bastante céptico em relação a estatísticas, esses números são preocupantes, GJ!
Somos um país que se habituou, desde sempre a viver com receitas dos outros. Para não recuar à época dos Descobrimentos, limito-me afalar das colónias. Quando se acabaram as colónias vieram os subsídios da CEE/UE. As pessoas habituaram-se a viver no mesmo estilo. O que me preocupa ( e não é de agora...9 é saber como vai Portugal sobreviver sem os subsídios da UE a partir de 2013, se durante mais de 20 anos não conseguimos criar condições para poder prescindir deles.

GJ disse...

Carlos, os números são preocupantes e não se alteram dum dia para o outro. O que o preocupa a si, preocupa-me a mim e imagino que a todos os portugueses sensatos e informados. E é por isso que esta conversa fiada dos candidatos me dá dó, não por eles mas por todos nós que não soubemos utilizar bens escassos. De 1986 para cá vários programas comunitários foram aprovados e Portugal desaproveitou por falta de conhecimentos técnicos. E não utilizámos verbas transferidas por inércia. Daí que os que ainda por aí andam estejam já alocados a projectos megalomanos que nem sempre são prioritários.