21/09/09

O segundo príncipe

Dizem que ele é o príncipe quando se referem ao rapaz que nasceu no mês das vindimas e que, talvez por isso, foi consagrado pelo ano da colheita. Há pessoas que têm a particularidade de atrair outras e, que pelo facto de serem conciliadoras, mantêm uma aura brilhante e olímpica toda a vida. Quando me pedem para o descrever, saem-me palavras e frases que descrevem actos, acções e paixões. Qualidades enaltecidas por gestos e histórias a condizer. Pequenas palavras que traduzem o momento em que uma mensagem me fez sorrir, uma anedota me ajudou a continuar ou um beijo me compôs o dia. Segundo Frei Pedro, é o rapaz que numa época em que a taxa de divórcios aumenta, teve a coragem de querer casar e dizer sim ao compromisso familiar. Estará, portanto, de parabéns pela decisão tomada e pelos 28 anos igualmente celebrados.
Perguntam-me, agora, o que significa levar um filho ao altar. Querem saber e eu não tenho resposta pronta. Sei apenas o que senti, quando um pai generosamente entregou a noiva ao futuro marido. Senti a lágrima, que teimosamente queria saltar do meu olho que não podia ficar esborratado. Senti a extensão dum abraço, senti que nenhum protocolo substituiria o gesto daquele homem que abraçava outro homem com a determinação dum pai e a confiança no filho. Gestos, que uma mãe sente que também lhe são atribuídos. Abraços que se estendem e famílias que se entrecruzam em celebração da vida, da alegria e da tristeza. É só isto que eu sei do meu segundo e da sua princesa. É só isto, que eu tenho para dizer, príncipe de cabelo encaracolado, olhos de mel, sorriso largo e gargalhada solta.

11 comentários:

vbm disse...

É a vida! :))

Luísa disse...

Minha querida GJ, as maiores felicidades para o seu Príncipe.
P.S.: Para mim, que não tenho ainda essa experiência de cedência de um(a) filho(a), ela apresenta-se-me como uma separação forçada, um abandono, uma tristeza, um vazio… Confesso que tenho feito bastante campanha contra o casamento aqui em casa… Mas, se calhar, tenho mesmo de o proibir. ;-D

Catarina disse...

Parabéns pelo casamento do Príncipe!

Já fui ao casamento de três dos meus enteados e das minhas duas filhas. A lagrimita sempre tentou saltar, mas, a cedência dos filhos não me surgiu nunca como separação forçada. Estavam todos/as felizes (apesar de quatro já se terem separado...), e os pais só devem sentir-se bem com a ideia de que lhes deram a enxada para se governarem sozinhos. Luisa, quer que a cachopa vá para freira ou fique solteirona sempre ao seu lado? Não acredito!

fugidia disse...

Bem, mas por esses lados a festa não termina, hein?
Muitos parabéns! :-)))

Mike disse...

Parabéns, GJ. E parabéns ao jovem (e ao casal). :)

Carlos Barbosa de Oliveira disse...

Muitos parabéns, GJ.
Tem um desafio lá no CR, se quiser aceitar...

GJ disse...

Obrigada a todos, é a vida como diz o Vasco.:)

vbm disse...

:)

e felicidades!

ana v. disse...

O menino de sua mãe...
Muitos parabéns, GJ. Ainda não sei o que é isso de entregar filhos a meninas que os querem, mas já não deve tardar muito...
Um brinde aos noivos!
:-)

Ana Paula disse...

Parabéns, GJ! E aos noivos :)

Que sejam felizes enquanto dura, um instante ou para sempre!... É isso que conta.

E é uma história contada de um modo muito bonito pela mãe.

É mesmo a vida :)

LADY-BIRD, ANTITABÁGIKA, FÃ DO JOMI LOL E JÁ AGORA DOS NOSSOS AMIGOS ANTI-TECNOLOGIAS: MARCHANTE (se não existissem tinham que ser inventados) disse...

Parabéns ao casal e à mãe do príncipe!
beijinho